domingo, 22 de julho de 2018

Visita que fiz à amigos na Praia da Barrinha

Fui recebido pelo amigos: Professora Regia Santos e Eurides Nascimento. Almoçamos na casa de Eurides, uma refeição excelente. Terminada a refeição, continuamos à mesa para uma rodada de conversa. Falamos sobre muitas coisas, inclusive ufologia, enfocando a casuística. Muitas pessoas da comunidade estiveram presente. Alguns transmitiram nosso bate-papo ao vivo pelo telefone para amigos e parentes que não puderam estar ali, mas fizeram suas indagações e ouviram as respostas em tempo real. Tive a oportunidade de conhecer o museu do companheiro Eurides, que já dispõe de um amplo acervo usadas pelos antepassados, como panelas de ferro, chaleira ferro e ferro de passar alimentado por brasas, artesanato em madeira e muitas peças interessantes juntadas pelo Eurides em suas andanças na região amazônica. Vale a pena ser visitado.

IMG_0378

IMG_0377

IMG_0376

IMG_0375

Veja como a amiga Regia Santos publicou nossa visita no face book:

Régia Santospara Jacinto Pereira de Souza


Discussão ufologica muito produtiva em Barrinha de baixo.
Obrigada seu
Jacinto Pereira de Souza pela disposição e por dividir seus conhecimentos conosco.

— com Eurides Nascimento.

A imagem pode conter: 2 pessoas

A imagem pode conter: 3 pessoas, incluindo Eurides Nascimento, pessoas sorrindo, pessoas em pé e área interna


A imagem pode conter: Régia Santos e Eurides Nascimento, pessoas sorrindo, pessoas em pé

A imagem pode conter: 3 pessoas, incluindo Régia Santos e Eurides Nascimento, pessoas sorrindo, pessoas sentadas e mesa

Comentários

Eurides Nascimento

Eurides Nascimento foi muito gratificante.. só tenho à agradecer ao Sr. Jacinto Pereira de Souza pela a visita, e sua disponibilidade , e suas informações ufológicas.. Obrigado Régia Santos... , e a todos os simpatizantes que nos acompanharam na roda de conversas...

Fiquei realmente muito Feliz e aceitei um convite para participar de vigília ufológica em lugares da comunidade onde aparecem coisas estranhas, que acontecerá em breve.

Confira helicóptero policial americano cercando 'OVNI'


Um OVNI no céu


CC BY-SA 2.0 / Davide / OVNI

Mundo insólito

12:47 22.07.2018URL curta

Um residente da Califórnia não deixou de reagir a um barulho estranho vindo da rua perto da sua casa, mas o que viu lhe pareceu bastante bizarro.

Um morador da Califórnia publicou um vídeo de como um helicóptero da polícia de Los Angeles estava dando várias voltas em redor do que parecia ser um OVNI. A cena durou cerca de 12 minutos.

Ele ouviu um barulho forte e saiu à rua para verificar o que se estava passando lá fora. De imediato viu um helicóptero policial se movendo ao redor de um veículo aéreo imóvel no ar, com duas janelas, embora "parecesse ridículo", cita o diário Daily Star as palavras de Tom, a testemunha. Ele até tirou o seu celular para gravar a cena e depois postou o vídeo no YouTube que já recebeu mais de 20 mil visualizações.

Muitos usuários ficaram perplexos, duvidando da autenticidade do material nos comentários. Um dos internautas até apontou que o piloto do helicóptero estaria aparentemente assustado de se aproximar mais perto do objeto desconhecido.

Fonte: https://br.sputniknews.com/mundo_insolito/2018072211781054-ovni-helicoptero-policia-eua-video/

segunda-feira, 16 de julho de 2018

CASO UFO MERCEDES BENZ DO BRASIL


Caso investigado por Claudeir Covo: CASO MERCEDES BENZ DO BRASIL

Esta ocorrência ufológica foi muito curiosa. Durante dois anos, o pesquisador Claudeir Covo coletou uma série de avistamentos, em 1988 e 1989. Todos esses relatos foram publicados, de forma reduzida, na Revista Planeta no 203, de agosto/1989. Uma dessas ocorrências foi quase um pouso de um disco voador no heliporto da MBB - Mercedes Benz do Brasil, situada na Paulicéia, em São Bernardo do Campo, SP.

Através de uma secretária da diretoria da MBB, que pediu para não ser identificada, Claudeir tomou conhecimento desse fato. Ela informou que em 26.04.89, por volta das 02:00 horas da madrugada, um disco
voador emitindo luzes coloridas se aproximou da MBB e parou a uns 15 metros do solo, acima do heliporto. O objeto tinha um diâmetro de aproximadamente 10 metros e era totalmente silencioso. Toda a segurança e os bombeiros internos foram acionados. Quando um caminhão chegou, com a sirene ligada, o objeto se afastou em direção ao céu e sumiu. Quando Claudeir esteve na MBB, ninguém quis comentar o ocorrido, alegando que nada aconteceu naquela noite.

A informante (secretária) era uma pessoa bem confiável, e garantiu que viu o relatório na mesa do seu diretor. Assim, tal fato foi publicado na Revista Planeta.

Na época, Claudeir tinha um amigo que trabalhava na engenharia da MBB, o Pedro Cabral, que a cada quinze dias se reuniam na ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas, no Comitê de Iluminação Veicular, comitê esse que Claudeir é presidente até hoje. Cabral ao saber desse fato caiu na gargalhada. Quinze dias depois, novamente em reunião na ABNT, o Cabral brincando disse que esses ufólogos são todos "loucos". Cabral fez uma pesquisa com dezenas de pessoas dentro da MBB, inclusive com todos os funcionários da área de segurança da empresa. Não conseguiu nenhuma informação.

Mas, após a publicação na Planeta, essa revista circulou entre vários funcionários da MBB, chegando ao conhecimento da jornalista Luzia de Medeiros, que após conversar com a diretoria, conseguiu autorização para publicar esse ocorrência.

Em novembro/89, o jornal Nossa Estrela, uma publicação interna para os funcionários da MBB, publicou não só esse fato, bem como outros avistamentos envolvendo outros funcionários.

Assim foi publicada a matéria:

TRÊS EXPERIÊNCIAS QUE VIRARAM NOTÍCIAS

Segundo a revista Planeta, a aparição aconteceu no dia 26 de abril deste ano, por volta das 02:00 horas da madrugada, mas o vigilante Luiz Cláudio Francisco diz que foram três dias antes. Conta que naquela noite estava em serviço no posto 4 (Revisão Final de Caminhões). De dentro da guarita avistou uma luz no céu, que se aproximava da fábrica. Saiu ao pátio e identificou um objeto que aparentava flutuar e girar em si mesmo, com luzes vermelhas piscantes e um forte facho de luz branca. "0 formato lembrou-me uma bola de futebol americano, sem um dos bicos, e não fazia qualquer barulho". Tentou contactar, pelo rádio, o colega Edilécio Rodrigues do Carmo, que estava próximo dali (na área de gases); não obteve resposta, mas o chamado alertou o líder Edson e o encarregado Desoti que rumaram para lá.

Luiz Cláudio observou toda a movimentação do objeto sobre a fábrica, por uns três minutos, até desaparecer, antes que ele chegasse ao posto de Edilécio. Não demorou e logo apareceram mais dois objetos voadores, menores que o primeiro e mais lentos, da direção do Ipiranga. Sobrevoaram a Paulicéia - os dois vigilantes abrigaram-se entre os caminhões, buscando melhor ponto para observação - e logo desapareceram no sentido Taboão, antes que a chefia da guarda chegasse ao local.

0 incidente foi registrado com as demais ocorrências daquela noite e no dia seguinte a Segurança da fábrica preferiu não comentar o caso, que já era do conhecimento da Revista Planeta. Motivo principal: seria muito embaraçoso confirmar aparições de OVNI's ruma região que estava no auge da greve de abril.

OBS.: Após a publicação no jornal Nossa Estrela, Claudeir conseguiu entrevistar o vigilante Luiz Cláudio Francisco, o qual informou que naquela madrugada parecia que aquele estranho e luminoso objeto ia pousar no heliporto. Todos ficaram preocupados, pois não sabiam o que fazer. Ele não permitiu fazer fotos do local, alegando que era ordens da diretoria.

Esta história nunca foi contada a ninguém da MBB - Campinas, porque o assunto costuma criar polêmica e descrença, e até brincadeiras de mau-gosto. Por essa razão Nossa Estrela não identificará o protagonista (a seu pedido).

Aconteceu em 1973, quando estudava na PUC, ao retornar para casa em companhia de uma prima (entre 10:30 e 11:00 horas). " Íamos de carro pela D. Pedro, em direção a Souzas, quando avistamos uma luminosidade muito grande acima da pista, maior que a do farol do nosso 'fusquinha'. Percebemos que a luz (branca e muito intensa) era projetada de algo no céu, acima do carro. Depois de muito discutir, sobre parar ou não, fui para o acostamento e pudemos ver um objeto muito grande, formato de meia laranja, com espécie de janelas, ao redor e completamente silencioso, que subiu rapidamente até desaparecer no escuro do céu. Tremíamos e chegamos, em casa muito assustadas (minha mãe ficou preocupada e por muitos dia, acompanhou-me à faculdade). A notícia chegou ao Correio Popular e virou manchete de primeira página, onde aparecemos com outras pessoas da região que relataram acontecimentos semelhantes ao daquela noite''. Durante dias, o colega da escola fizeram carreata naquela estrada, na esperança de ver algo, mas foi em vão. A testemunha não conseguiu explicações sobre a aparição, mas sabe que não era deste mundo, era fantástico. Sobre vida fira daqui, não acredita, nem desacredita.

Esquadrilha alaranjada

Durante a construção da MBB - Campinas, muita gente de São Bernardo do Campo, SP, e região morou em Indaiatuba, em pensões, longe da família. Edvaldo F. Apolinário, do Controle de Entrada e Engenharia de Materiais, viveu um fato que até hoje faz com que brinquem com ele. Numa noite de junho de 1978, ele e outros companheiros e ex-funcionários Benedito e Oswaldo, do Laboratório e Sergio, da Administração de Material. Observaram oito pontos de cor alaranjada, em formação e parados no céu, que mudavam para os tons vermelho e azul. Tinham perfil oval, alongado.
"Observamos por uma hora até resolvermos seguir de carro em direção a Salto, SP, para tentar uma aproximação, quem sabe. De súbito, as oito luzes juntaram-se numa só, bem maior, e veio em nossa direção por trás. Parecia uma enorme bola de fogo. Paramos ali mesmo. Ela passou tão rápida que pudemos sentir sua força. Sumiu sobre nós, ainda dentro do carro, e não vimos seu destino. Voltamos à pensão, onde encontramos o nosso chefe, o Sr. Sardinha, que, ao saber do fato, muniu-se de uma lanterna e acompanhou-nos àquele local. Não encontramos nenhuma pista.

A notícia chegou à Tribuna de Indaiá, mas logo um oficial da Aeronáutica tentou dar algumas explicações para o fato (não muito convincentes)". Edvaldo diz que conversou com alguns conhecidos da Aeronáutica, que lhe afirmaram a dificuldade e até impossibilidade de relatarem as observações ocorridas principalmente durante vôos noturnos, e diz que sinceramente acredita na existência de tais fenômenos.

Luzes coloridas nos céus da cidade

Começava anoitecer, quando Vladimir Davelli, Analista de Treinamento na Sofunge, e um grupo de nove colegas avistaram três pontos luminosos no céu. Faz muito tempo, treze anos, mas ele recorda a formação triangular e as cores vermelha, verde e azul, que despertaram a atenção do grupo.

Cobriam grande distância, com movimentos muito rápidos e breves paradas, sem perder a formação, repetidas vezes. Depois assumiram um curso e desapareceram no horizonte. Ficamos ali, boquiabertos, imaginando o que seria aquilo. Ao chegar em casa, Vladimir contou a todos e foi levado a sério, principalmente pelo avô. Na escola, o assunto despertou interesse e, é claro, todos os tipos de piadas. Mas os envolvidos não se perturbaram e até tentaram pesquisar o assunto em livros e revistas. "Particularmente, acredito em vida extraplanetária. Até por razões religiosas, creio que não estamos sós".

Foram fotografados?

Este relato envolve vigilantes da MBB - Campinas: Antônio Carlos Maito, Benedito Rodrigues de Oliveira e Antônio Cimetam. Os três estavam no pátio da Revisão Final, por volta das 03:30 horas da madrugada, em 1886, quando um grande brilho iluminou o local, um clarão tão rápido quanto um flash. Maito diz que não se preocuparam com aquilo, até o instante seguinte, quando Rodrigues olhou para o céu e observou uma luz amarela, subindo rapidamente até desaparecer no alto do céu. Ele até comentou com tom de brincadeira: "Isso é coisa de outro planeta", mas no dia seguinte nem se lembraram em contato com o pessoal do radar de Viracopos. Contam que, na época, o chefe brincou: "Vocês foram fotografados por gente do espaço". Do espaço ou não, só sabem que aquele local estava muito escuro e alguma coisa estranha aconteceu. Não sabem o que. Fonte: https://www.facebook.com/permalink.php?story_fbid=1905233912867302&id=433476593376382

Nenhum texto alternativo automático disponível.

Illuminati, a Matrix da Elite Global, Alienígenas e Nova Ordem Mundial

segunda-feira, 2 de julho de 2018

No crees en extraterrestres?, mira esto! Ovnis captados por la Nasa

Eventos incomuns no céu: cientista explica de onde surgem OVNIs


OVNI


CC0 / Pixabay

Ciência e tecnologia

11:45 02.07.2018(atualizado 11:54 02.07.2018) URL curta

0 20

Caça aos extraterrestres ultimamente tem perdido atualidade, mas na mídia e redes sociais continuam aparecendo vídeos com objetos misteriosos. No Dia Internacional de Observação dos OVNIs, o cientista e astrônomo russo Vladimir Surdin contou à Sputnik o que se sabe sobre alienígenas.

Nos últimos anos, o tema dos OVNIs parece ter perdido seu interesse, tanto para cientistas como para os governos.

Porém, o pesquisador sênior do Instituto Astronômico Sternberg em Moscou, Vladimir Surdin, aponta que a URSS, por exemplo, nunca se ocupou muito deste assunto. Em certo momento, foi criada uma comissão para estudos de OVNIs, mas logo que perceberam que não havia nenhuma ameaça para o país, o órgão foi fechado.

Homem olhando para Universo

CC0 / Pixabay

Por que nunca encontraremos vida extraterrestre? Físicos britânicos explicam

O interesse pelos OVNIs diminuiu inclusive devido ao trabalho dos cientistas, acredita Surdin. Membro da Comissão para Combate à Pseudociência da Academia Russa de Ciências, o cientista conta que ele e seus colegas revelam quais são os fenômenos que realmente aparecem na atmosfera da Terra, mas que são tomados por discos voadores, resolvendo muitos "enigmas".

Falando dos astros que alguma vez atingiram a superfície do nosso planeta, não se pode deixar de lado o asteroide de Tunguska, cuja colisão com a Terra ainda hoje causa muitas perguntas aos especialistas. É que entre a queda do objeto celeste, em 1908, e a primeira expedição ao lugar, em 1920, passou muito tempo e muitas evidências da catástrofe desapareceram nos pântanos siberianos, explica o cientista russo.

"Por enquanto há apenas hipóteses mais ou menos verossímeis [do acontecido]. É muito provável que tenha sido um cometa pequeno, com uns 65-70 metros de diâmetro, que explodiu na atmosfera […] A explosão devastou a floresta, mas vestígios materiais do astro nunca foram encontrados", comentou Surdin.

No entanto, acrescenta, este caso não pode ter algo a ver com extraterrestres.

"Pode-se discutir os detalhes — que tipo de cometa era, qual a sua composição […] Mas não há lugar para [hipóteses sobre] OVNIs", disse.

OVNI (imagem ilustrativa)

CC0 / Pixabay

Google Earth teria captado OVNI sobrevoando México (VÍDEO)

Eventos incomuns na atmosfera em muitas ocasiões não têm uma explicação racional devido à falta de descrições detalhadas do objeto, avança Surdin.

Um profissional sabe determinar de onde veio e em que direção voava tal objeto, sua intensidade, cor, etc., enquanto testemunhas sem conhecimentos de astronomia interpretam as coisas que observam de acordo com sua percepção psicológica.

"É um mecanismo mental: coisas que são importantes e interessantes para nós parecem maiores […] Por exemplo, a Lua e o Sol parecem grandes para nós. Por isso é difícil entender o que realmente viu uma pessoa quando não pode descrevê-lo profissionalmente", detalhou o especialista.

Aglomerado RXC J2211.7-0350 na constelação de Aquário

© NASA. ESA/Hubble & NASA, RELICS

Hubble tira FOTO detalhada do Universo primordial

Como exemplo o astrônomo lembrou um caso que aconteceu com ele há pouco em São Petersburgo.

"Estava observando um bólido, ou seja, um meteoro. Além de mim havia umas seis pessoas e todos descreveram de modo diferente o que viram: para onde voou, por quanto tempo, sua cor, sua intensidade. Cada um tinha sua impressão sobre o que aconteceu. Isso mostra como é forte a influência da mente em nossa percepção", sublinhou o cientista.

A percepção dos astrônomos, por sua vez, é menos influenciada porque eles estão acostumados a observar o céu e as pessoas tendem a observar mais a terra, ressalta Surdin. Mas, conclui, hoje em dia investigar casos de "OVNIs" no céu é mais fácil graças a câmeras e outros aparelhos.

Fonte: https://br.sputniknews.com/ciencia_tecnologia/2018070211617321-ovnis-eventos-incomuns-ceu/

sexta-feira, 29 de junho de 2018

OVNI 2018 #ufo #ovnibrasil #ovnipernambuco



Publicado em 23 de jun de 2018

IMPRESSIONANTE! Aparecimento de OVNI na praia "Boca da Barra", Tamandaré, Pernambuco, Brasil. Registrado com a câmera SONY DSC- H50 . O "avistamento" ocorreu no dia 02/04/18, por volta das 14:00h ; demoramos um pouco até conseguir captar alguma imagem.
O que você está vendo? Um balão meteorológico? Um balão do projeto Loon?
Acredita "numa visita"?
SEUS OLHOS SÃO LIVRES?!!
É FOGO NA MÁSCARA!!!

LINK DO VÍDEO: https://www.youtube.com/watch?v=w60GN...
INSTAGRAM: Fogo na Máscara

Ufólogo fala das últimas descobertas sobre ovnis

Piloto da gol ve ovni

quinta-feira, 28 de junho de 2018

Relato de avistamento de óvni por ex-aeromoça.


Nenhum texto alternativo automático disponível.

Ufocircuito

8 de junho às 19:20

Relato - Fenômeno OVNI

Uma luz ofuscante voou ao lado do meu avião

“Eu era a aeromoça mais nova da tripulação. Tinha 18 anos e havia começado a voar poucos meses antes. Fazia o trajeto de São Paulo a Belém com escala em Brasília num Boeing 737 da Vasp e trabalhava na era de ouro dos serviços de aviação: o carrinho de drinques passava antes e depois do jantar, as poltronas eram largas e havia muita comida. Na noite em questão, fazíamos o último trecho, sobrevoando a Amazônia, quando a campainha do comandante soou. Eu estava no fundo do avião, descansando, e, como era a novata, me levantei para atendê-lo.

Devia ser perto das 3h da manhã e os passageiros dormiam. Havíamos deixado as luzes baixas e fechado a cortina que separa as poltronas da galley, a área de serviço. Passei por ela e cheguei à porta da cabine de comando. Esperava que me pedissem um café – ele e o copiloto costumavam tomar para ficar em alerta -, mas, assim que abri, uma luz fortíssima me cegou. Meu primeiro impulso foi entrar rapidamente e fechar a porta atrás de mim para não acordar os viajantes.

Luz branca

‘O que é isso?!’, perguntei atônita, enquanto protegia os olhos com um braço e, com o outro, tateava para encontrar o assento atrás deles. Segundo o comandante, a luz se aproximara numa velocidade tão rápida que ambos acharam que chocaríamos. Mas parou a poucos metros da aeronave e ficou ali, do jeito que eu a estava vendo, à esquerda da cabine, 45 graus acima de nós.

Estávamos numa linha reta em cima da Floresta Amazônica e o avião ia no piloto automático. Podia ouvir o chiado do rádio, e o copiloto, de óculos escuros no meio da madrugada, tentava fazer contato com a base. `Inoperante, inoperante¿, ele repetia. A luz nos acompanhou por cerca de 10 minutos, sempre à mesma distância. Ao final desse tempo, o piloto, que estava de quepe, disse que já podia olhar, pois ela estava enfraquecendo. A vi rumar à direita e, de repente, se afastar rapidamente. Era muito branca e intensa, sem forma definida – definitivamente não era redonda -, e tinha raios dentro dela de um azul lindo, como neon, e rosa. O sinal foi restabelecido assim que ela desapareceu.

Voltei à galley e dividi a experiência com os colegas. O resto do avião havia permanecido no escuro todo o tempo. No dia seguinte, quando acordei em Belém e fui escovar os dentes no banheiro do hotel, dei de cara com meu rosto queimado. Havia apenas uma faixa branca que eu havia protegido. O colo e os braços estavam como torrados de sol. Desci ao saguão e encontrei o comandante na mesma situação, telefonando para São Paulo.

A empresa ordenou que retornássemos no próximo voo comercial e enviou substitutos. Passamos, os três, por uma série de exames no Hospital da Aeronáutica e fomos avisados de que qualquer comentário sobre o episódio estava proibido. Se falássemos, eles negariam e passaríamos por estúpidos. Os testes não constataram nenhuma radioatividade e retomei minhas atividades dias depois. De vez em quando, espiando pela janela do avião, vi outras luzes nos acompanhando também, mas nunca tão de perto como aquela.”
-----
Ana Prudente é ex-aeromoça da Vasp. Ela já viu outros óvnis enquanto voava a trabalho. Depoimento a Letícia González. (mundoestranho.abril)

Fonte: https://www.facebook.com/groups/pesquisasufo/permalink/1826744737620901/

quarta-feira, 27 de junho de 2018

Evidência ALIENÍGENA na RUSSIA

Descoberta na Antártida muda tudo o que pensamos saber sobre alienígenas...

Alienígenas no campo -Caso Silbury Hill (Agroglifos)

Convite ufológico


Nesta sesta 29, depois de amanhã portanto, estaremos novamente conversando sobre Ufologia. Eu espero contar com a presença dos companheiros do CSPU e simpatizantes da fenomenologia Óvni, para mais uma vez trocarmos informações da casuística ufológica em nossa região e além dela. O local será o mesmo: Rua Coronel Diogo Gomes, 998 - Centro - Sobral. Telefone para contato: 88 999210172 ou 88 988477189. Estarei lá a partir das dezenove horas aguardando vocês. Como sempre, é um momento importante para nos atualizarmos sobre o que está acontecendo no mundo ufológico.

Abraço.

Jacinto Pereira